Palestras Pet Society 2012 – Brasília

Dias 12 e 13 de agosto no Parla Mundi da LBV, em Brasília, DF!

Você vai ficar de fora dessa? Invista no treinamento de sua equipe de groomers!

Maiores informações: (61) 3033-2515 / 9558-6436 / 8205-6803 / 8276-7901

Sucesso!

Animal Marketing

Gateiros e Médicos Veterinários

Por Carlos Gabriel Dias, CRMV RJ 4897

Falar sobre gateiros, donos de gatos ou o que o valha não é simples,mas antes de conversar sobre gateiros podemos discorrer sobre o que eles são primariamente: seres-humanos.

Durante uma trajetória longa e absolutamente eclética nós, Médicos Veterinários, abraçamos uma trajetória assinalada por disciplinas acerca de animais, apenas animais! Mas, lembrem-se, além de várias espécies animais, temos outras demais disciplinas que alinhavam uma colcha multidisciplinar desta profissão. Cada pequeno retalho representa uma possibilidade de atuação.

Os Médicos Veterinários que abraçam atuar na clínica e cirurgia de pequenos animais (leia-se gatos e cães) aprofundam-se nestas espécies. E, ainda, muitos Médicos Veterinários pontuam-se em uma ou outra destas duas espécies [1]. Preocupar-se com uma espécie que não a sua própria. “Se eu gostasse de gente teria estudado Medicina Humana”, o que seria algo absolutamente lógico atualmente figura como uma fonte de discussões e preocupação entre acadêmicos e formadores de idéias. Quem acompanha o animal nas consultas veterinárias? Quem fornece dados importantes e responsabiliza-se pelo comprimento das recomendações e prescrições?

RELAÇÕES INTERPESSOAIS
Através das relações interpessoais, os Médicos Veterinários e Responsáveis pelos animais estabelecem uma comunicação para o esclarecimento da queixa, do manejo e tudo o que se refere ao paciente. O animal é o cerne de toda a trajetória dos médicos veterinários, mas todos eles relacionam-se fluentemente com os seres-humanos que acompanham seus pacientes? Já não basta manejar corretamente o animal, fornecer o diagnóstico e prescrever as melhores condutas. Estabelecer um canal claro e forte de troca de informações e questionamentos é fundamental para a fluidez de todo o processo!

Parece inócuo e desnecessário (a maior parte das pessoas não acredita nesta matéria). Contudo, é absolutamente certo que todos os seres-humanos se comunicam com fluidez? Todas as comunicações nas relações humanas são evidentes, fluídas, coerentes e funcionais? No dia-a-dia dos veterinários pontua-se: basta conhecer os sintomas? Sim, já é um grande caminho, mas é possível partir da queixa principal, passando pela anamnese e finalizando em uma realização consciente (ou mesmo na própria realização) do tratamento e manejo sugerido? Não há dados concretos, evidências estatísticas, apenas o que observamos no dia-a-dia. Responsáveis insatisfeitos e tratamentos não realizados. A conversa é espinhosa. Basta dar o diagnóstico? Sim, oficialmente, sim. Estabelecer uma boa relação para que todo o processo flua com qualidade já não é exigido, é sugerido. Mas, sugestão é para alguns, não é uma determinação.

O PAPEL DO MÉDICO VETERINÁRIO
Os seres-humanos estão tornando-se diferentes ao passar dos anos. Tornam-se complexos demais para as teorias comportamentais anteriormente formuladas. Novas visões são importantes para novos estilos de vida. Assim, a complexidade das relações humanas invade os consultórios Veterinários. A questão das relações humanas não cabe apenas aos clientes, os responsáveis em descrever o que seus animais sentem, mas aos Médicos Veterinários que deverão ser aptos para estabelecer uma boa comunicação. O talento dos Clínicos transcende a capacidade de interpretação dos sintomas. Boas receitas são negligenciadas por responsáveis não confiantes ou não envolvidos o suficiente. E carinho e atenção costumam ser maquiagem para receitas insuficientes. Nenhuma atuação é melhor do que a outra.

Hoje, o papel do Veterinário é muito mais amplo: ser competente para diagnosticar e competente para ser compreendido. Não há espaço para grossuras, antipatias, soberbas ou autoridade sem justificativa. Toda vez que for conversar com um ser humano acompanhado do seu paciente, lembre-se do principio da ética: não vou fazer o que não gostaria que fizesse comigo. Trocando em miúdos: independente da sua capacidade de ser um produtor de diagnóstico seja gentil para que o seu conhecimento não seja apenas promovido seja também aplicado!

Gateiros apresentam características tais e cachorreiros outras tais, mas todos se comunicam de forma complexa, intrincada, passível de distorções e ma interpretações, mas todos exibem comportamento especifico de uma especie que Médicos Veterinários não toleram ou mesmo não entendem: os seres-humanos.

NOTAS
[1] O Gato Doméstico é referido como espécie nos textos de divulgação, mas é considerado uma subespécie (Felis silvestris catus).

O Dr. Carlos Gabriel Dias é Medico Veterinário e Mestre e Doutor em Ciências Veterinárias, especialista em Medicina de Felinos, e escreve o blog Clínica para Gatos.

 

 

E você, consegue se comunicar adequadamente com seus clientes? Comente!

Animal Marketing

Gatos estimulam Mercado Pet

Por Alessandro Fiocco

Independentes, amorosos, sensuais e elegantes. Essas são as quatro palavras usadas por donos de gatos para classificar seus bichanos, segundo estudo feito pelo instituto americano Blackwell Scientific Publications.

E há cada vez mais amantes de felinos no Brasil. A população de gatos em 2010 era de 18,5 milhões ante 17 mi em 2009, mostram dados da Anfalpet (Associação Nacional dos Fabricantes de Produtos para Animais de Estimação). O aumento de quase 9% — 3.9% de cães no mesmo período — abre espaço para que o nicho seja explorado.

“Nos últimos dez anos, os produtos [para gatos] vendidos em nossas lojas tiveram aumento de aproximadamente 50%”, relata Carla Storino, analista de marketing da Cobasi, rede de lojas voltada para o mercado pet.

Storino reforça que, atualmente, 20% do que a rede oferta tem como foco os bichanos. Com o novo cenário, foram criados corredores exclusivos.

Na Mars, fabricante da linha Whiskas, a linha de alimentos para felinos é de cerca de um terço da produção total da divisão de cuidados para animais, segundo Bianca Sabatino, representante da marca.

Já Fernanda Marques, gerente de produto da Royal Canin, detalha que 12% da produção da companhia vai para as tigelas dos gatos.

A razão para o crescimento do interesse em gatos, segundo os entrevistados, é a verticalização dos grandes centros, somado ao estilo de vida do homem urbano faz com ele opte por uma mascote menos trabalhosa e mais independente.

“Costumo dizer que o gato é o pet do século 21, e que deixou os muros e telhados para habitar os lares dos brasileiros. Ele veio para ficar”, avalia Marques.

Retirado da Folha de São Paulo

O aumento de proprietários de gatos no mercado pet é uma tendência inevitável, mas ainda um nicho renegado na maior parte do Brasil. E você, o que está fazendo para aproveitar essa oportunidade?

Em breve, um artigo exclusivo sobre proprietários de gatos e suas peculiaridades!

Animal Marketing